back to top
Quinta-feira, Junho 13, 2024

Novidades

Notícias Relacionadas

Itália na boleia do nacionalismo cristão

Itália na boleia do nacionalismo cristão, mas esses políticos conservadores não abraçam o cristianismo enquanto cristianismo, muito menosa  sua ética social

As eleições italianas produziram uma vitória para a candidata de extrema direita Giorgia Meloni, cujo partido tem suas raízes na política fascista pós-Mussolini. Esse resultado gerou consternação com razão sobre o que isso significa não apenas para a Itália, mas para a Europa e o Ocidente em geral.

Após a Segunda Guerra Mundial, o Movimento Social Italiano tentou manter viva a chama do fascismo, mas era pequeno e impotente. Ele se transformou ao longo dos anos, mudando de nome, confrontando alguns dos males do fascismo ao fazer com que os líderes do partido visitassem o Yad Vashem em Jerusalém e denunciassem o Holocausto, e abandonando um pouco de seu extremismo. Meloni, que cresceu no movimento e foi ativista em sua juventude, mudou ainda mais, batizando um novo partido, Irmãos da Itália, em 2011.

Meloni, fascista?

Perguntamos, ela é fascista? A sua eleição tem um potencial perigoso para uma aliança com governos de direita na Hungria e na Polónia? Ou com os Estados Unidos liderados novamente por Donald Trump ou um aspirante a Trump?

E qual o papel da religião nisso tudo? Mussolini olhou para as glórias da Roma pagã em busca de inspiração, mas Meloni invoca as raízes cristãs da Europa para justificar a sua oposição à emigração e aos direitos dos homossexuais.

“Existem diferenças importantes entre ela e os católicos norte-americanos conservadores da extrema-direita ou mesmo do Partido Republicano”, diz o professor de teologia Villanova, Massimo Faggioli, um italiano que vive nos EUA.

“A primeira é a aceitação básica por todos os católicos italianos da distinção entre as esferas religiosa e política”, disse Faggioli. “Por exemplo, Meloni prega sobre Deus e família, mas ela não é casada com o homem com quem vive há muitos anos. Outros líderes da direita na Itália estão na mesma situação ou pior. Eles fazem campanha para católicos culturais mas não têm interesse em campanhas de moralização católicas.”

“Ela sabe que na Itália o movimento pró-vida sempre teve um apelo muito limitado, mesmo na Igreja e na cultura política de direita, um nicho muito pequeno, em parte por causa da forma mais consensual como o aborto foi legalizado”, assinalou por e-mail. Ninguém jamais acusou a cultura italiana de ser puritana. Salem é uma cidade em Massachusetts, não na Toscana.

Nacionalismo cristão e política de direita

Associamos o nacionalismo cristão à política de direita e, nos EUA, essa é a única forma política consequente que a identificação política cristã pode assumir hoje. Mas, em outros tempos e países, o nacionalismo cristão se mostrou adaptável a diferentes posições ideológicas.

Julia Young, professora associada de história da Universidade Católica da América, me disse por e-mail:

No México da década de 1940, havia uma tensão significativa de nacionalismo cristão que era bastante de direita, e alguns grupos de ativistas católicos, como os Sinarquistas, admiravam abertamente Franco, Hitler e Mussolini. Na década de 1970, no entanto, uma ala progressista significativa também se desenvolveu, com ativistas católicos liberacionistas trabalhando para desviar o foco da Igreja institucional das visões nacionalistas de direita para as comunidades indígenas do México e as necessidades dos mais pobres.

Os cristãos são chamados ao compromisso político, mas essa decisão muitas vezes desce à cumplicidade política. Certamente, a fé católica ajudou a sustentar a identidade política, não partidária, dos povos oprimidos, por exemplo, na Irlanda e na Polónia. Não consigo pensar num episódio em que o benefício seja inverso, quando a fé católica se beneficiou de sua associação com um partido político.

Jason Blakely, professor associado de política da Universidade Pepperdine, me disse que o nacionalismo como ideologia “está numa relação filosófica muito tensa com o cristianismo”.

“Isso ocorre em parte porque o cristianismo exige pertença e solidariedade universais, enquanto os nacionalismos frequentemente se transformam em exclusões étnicas”, disse Blakely.

“Mas é também porque a idealização da identidade coletiva do nacionalismo numa espécie de espírito ou geist muitas vezes suplanta a adoração de um Cristo que chama pessoas de todas as nações, com uma identidade de grupo que recebe um status privilegiado”, continuou.

“Embora nem sempre seja o caso, o nacionalismo na prática muitas vezes envolve uma espécie de auto-deificação colectiva. O Espírito Santo é então eclipsado pelo Espírito da Nação ou grupo étnico.”

Os pontos de Blakely são todos bem aceites e um aponta para algo que Faggioli observou: Meloni não é muito religiosa. Ela invoca o catolicismo, mas não parece vivê-lo. Nem Trump era religioso, embora se apresentasse como um defensor das causas cristãs.

Famosamente, quando perguntado se havia pedido perdão a Deus, Trump respondeu: “Não tenho certeza. Apenas sigo em frente e tento fazer um trabalho melhor a partir daí. Acho que não. Acho que se fizer algo errado, eu acho, eu apenas tento acertar. Não trago Deus nesse quadro. Não é sobre ele”.

O governador da Flórida Ron DeSantis e o candidato ao Senado de Ohio, J.D. Vance, também exemplificam o padrão, falando e agindo sem um pingo de caridade cristã enquanto invocam sua fé religiosa na versão fantasiosa da Fox News da guerra contra a religião.

A recusa da ética cristã

Esses políticos conservadores não abraçam o cristianismo enquanto cristianismo, muito menos sua ética social. Eles abraçam o seu papel mítico numa consciência cívica pré-moderna ou futura antimoderna. Para eles, a religião é um suporte, não um estímulo.

Eles e seus movimentos se assemelham a nada mais do que a Action Française, o movimento político francês de extrema direita no início do século 20 que defendeu o antissemitismo e o governo autoritário e antidemocrático, lançando as bases intelectuais e populares para o regime colaboracionista de Vichy.

Action Française invocou o catolicismo como inimigo de 1789 e tudo o que a Revolução representava, mas não percebeu, ou não se importou, que eles estavam fazendo um bezerro de ouro da identidade nacional e ignorando os ensinamentos sociais básicos da fé. O Papa Pio XI condenou a Action Française em 1926.

Por Michael Sean Winters,  NCR.

Itália na boleia do nacionalismo cristão

Popular Articles