back to top
Sexta-feira, Junho 21, 2024

Novidades

Notícias Relacionadas

A estátua do nosso primeiro rei!

Em Guimarães, junto à entrada principal da Colina Sagrada, perto do Paço dos Duques de Bragança e do castelo, e ergue-se hoje em dia a escultura de D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal.
A escultura é de um grande escultor português Soares dos Reis, tendo sido inaugurada em 1887 pelo rei D. Luís, no actual Largo de São Francisco.
Ao longo dos anos teve duas trasladações, a primeira em 1911 para o Largo do Toural e a segunda, em 1940, para a sua actual localização.
Trata-se de um dos símbolos da cidade de Guimarães, mas acima de tudo do nosso país. D. Afonso Henriques, filho do Conde D. Henrique e de D. Teresa lutou pela independência do condado de Portucalense e formou um novo país.
A estátua de bronze sobre um pedestal de granito, obra de Soares dos Reis sendo os trabalhos de fundição, estado a cargo da Fundição de Massarelos, do Porto.
A ideia da sua construção partido de um grupo de portugueses, residentes no Rio de Janeiro, tendo decorrido a angariação dos fundos necessários para a sua construção em Guimarães e no Rio de Janeiro.
Existe uma réplica desta estátua, no Castelo de S. Jorge em Lisboa, que foi inaugurada em 1947 por comemoração dos 800 anos da Conquista de Lisboa aos mouros.
Só como curiosidade, para comemorar os 900 anos da data em que D. Afonso Henriques se armou Cavaleiro na Catedral de Zamora, a cidade de Zamora em Espanha inaugurou uma estátua no ano passado, que pretende retractar o Jovem D. Afonso Henriques, na cerimónia em que prestou juramento de ser Valente, Leal, Cortês e de proteger os indefesos em nome de Deus.
NB: Informações obtidas em publicações da CM de Guimarães, na página do Sistema de Informação para o Património Arquitectónico (SIPA) da Direcção-Geral do Património Cultural, e na página online o Minho.
(41°26’48.71″N 8°17’30.33″W) Caminho do Castelo – Guimarães – Braga – Minho – Região Norte – Portugal

“Há horas na vida em que a mais leve contrariedade toma as proporções de uma catástrofe.” – Camilo Castelo Branco

Popular Articles